Assassino de Felipe Yves mantinha cemitério com ossadas humanas de desafetos

Foto: Divulgação / DHPP

Duas ossadas humanas foram encontradas em um terreno, na Fazenda Independência, nessa quinta-feira (13). O local é usado pelo traficante Raílson Couto dos Santos, o Penga, de 22 anos, como “cemitério” para os desafetos assassinados por sua quadrilha. Conhecido como o Dez de Ouros do Baralho do Crime, da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), Penga teve seu mandado de prisão temporária cumprido na manhã de quarta (12), em uma pousada, em Paripe. Ele é um dos responsáveis pela morte do compositor Felipe Yves, morto no dia 6 de março, na Fazenda Grande I (lembre aqui). Também acusada por esse homicídio, Vanessa Costa dos Santos, 20, foi presa no Loteamento Fazenda Independência, em Cajazeiras XI. Ela foi indiciada por co-participação no assassinato por ter servido de isca a fim de atrair Yves para o local do crime. “Vanessa atuava como “olheira” do bando e se relacionava com um comparsa de Penga”, explicou o delegado Guilherme Machado, coordenador da 2ª Delegacia de Homicídios (DH/Central). Na operação, a polícia prendeu ainda Carlos Santana Anunciação, o Buza, de 31 anos, e Fábio Alves da Silva, 23. Todos eles fazem parte da quadrilha de Penga e foram autuados por associação com o tráfico de drogas. Fábio vai responder também por porte ilegal de arma, já que portava um revólver calibre 38 no momento da prisão. Com a descoberta do “cemitério”, equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) continuam as buscas por mais evidências na localidade.

Deixe uma resposta