Maurício Guilherme Nunes frequentava a Universidade desde 2011 e foi relacionado ao grupo que fraudou as cotas dos quilombolas. Ele já provou sua origem ao MP-BA e entrará na Justiça para ser reintegrado.

Um aluno do curso de Medicina da UESB, punido indevidamente por fraude nas cotas, questiona decisão da autarquia em expulsá-lo. Mesmo provando ao Ministério Público, que já ordenou retirada de seu nome do processo, o estudante quilombola Maurício Guilherme Nunes, de Livramento de Nossa Senhora, teve sua matrícula cancelada pela Universidade. Maurício, que entrou na UESB em 2011, alega que até hoje frequenta sua comunidade de origem. Faltando 4 meses apenas para concluir o curso, ele foi notificado em 9 de junho que estava sendo expulso por “falsidade ideologica”. Ele entrou na Justiça para ser reintegrado. Assista a reportagem da TV Sudoeste:

Comentários