Na avaliação da Unicef, é possível evitar 80% das mortes de crianças

Foto: Reprodução

No primeiro dia de 2018, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) lança um alerta para a mortalidade infantil no mundo. Um levantamento da organização aponta que mais de 80% das mortes de recém-nascidos podem ser prevenidas e tratadas com recursos acessíveis. São casos de parto prematuro, complicações do parto e infecções como septicemia e pneumonia. O estudo indica que quase 386 mil bebês nascerão no primeiro dia deste ano em todo o mundo. Os dados mais recentes mostram que 2,6 mil crianças morrem, ao ano, nas primeiras 24 horas após o nascimento. No total, 2,6 milhões não resistem ao primeiro mês de vida. No Brasil, as maiores vítimas são as crianças indígenas, que têm mais do que o dobro de chance de morrer antes do primeiro ano de idade. A maioria dos casos é decorrente da baixa qualidade do pré-natal, assistência no parto e cuidado neonatal.

O País reduziu a taxa de mortalidade infantil em mais de 25% entre 2005 e 2015. Ainda assim, naquele ano, 37,5 mil bebês morreram com menos de um ano de idade. Os bebês nascidos a partir deste ano, segundo as expectativas de vida de países de primeiro mundo, deveriam ter a oportunidade de ver o século 22. Quase a metade deles, no entanto, não deve sobreviver até 2101. “Pedimos aos governos e parceiros que se juntem à luta para salvar a vida de milhões de crianças, fornecendo soluções comprovadas e de baixo custo. É preciso priorizar a formação continuada dos profissionais, sobretudo das áreas de saúde, educação e assistência social”, alertou a especialista em Saúde e HIV do Unicef Jane Santos. Em todo o mundo, os bebês que morrem no primeiro ano de vida são quase a metade do total de mortes entre crianças de até cinco anos. No próximo mês, o Unicef lança a campanha global Toda Criança Viva (Every Child Alive), para exigir e oferecer soluções acessíveis e de qualidade para gestantes e recém-nascidos.

Bancada evangélica reage à ‘pauta de costumes’ do STF Foto: Dida Sampaio / Estadão Dias Toffoli A pauta de costumes prevista para ir a julgamento no Supremo Tribunal Federal provocou reação de parlamentares da bancada evangélica. Nesta terça-feira, 12, em reunião com o presidente da Corte, Dias Toffoli, eles pressionaram para que o julgamento sobre criminalização da homofobia, marcado para esta quarta-feira, 13, fosse adiado. Toffoli manteve as ações na pauta, mas auxiliares do STF temem que a discussão abra uma crise com o Congresso em um momento em que parlamentares se mobilizam contra o chamado “ativismo judicial”. Enquanto isso, no Senado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), desengavetou projeto que proíbe o aborto em qualquer situação, o que tornaria mais rígida a legislação atual. A proposta, que havia sido arquivada, volta à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para ser discutida. “O projeto deve ir para as comissões, ter o debate, colocar o País para discutir, mas não entrarmos nesse processo de avestruzamento, que é enfiar a cabeça debaixo da terra e dizer que não vamos tomar conhecimento, e depois ficarmos dizendo: ‘Olha, o Supremo foi lá e interpretou’”, disse o líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP). A iniciativa tem como objetivo se antecipar a outro julgamento no STF, previsto para maio, em que os ministros analisarão ação que tenta abrir mais uma condição para aborto legal no País, incluindo a possibilidade a grávidas infectadas com zika. Atualmente, a interrupção da gravidez só é permitida em caso de violência sexual, se há risco de vida para a mãe ou se o feto é anencéfalo. Defensores da medida dizem que a PEC não afeta estes casos, apenas veda novas exceções, como a que será discutida no STF. Para Alcolumbre, a proposta não é uma afronta ao Supremo. “O Senado está trabalhando como poder instituído”, disse. O Estado apurou que, no caso das ações sobre homofobia, a expectativa é de que a maioria dos ministros do STF concorde com a omissão do Congresso, mas não devem fixar prazo para os parlamentares aprovarem uma legislação criminal sobre o tema. Isso porque o objetivo das ações é equiparar a homofobia ao racismo, o que torna o debate mais complexo na área penal, na avaliação de um ministro. Um pedido de vista (mais tempo para análise) pode interromper a discussão. Estadão