07 de julho de 2020

(77) 98833-0195

Momentos de grande reflexão – Mercado, economia, trabalho, saúde, vida. Em tempos de Pandemia 

ARTIGO : Empregadores irão falir por falta de apoio e orientações

 

Empregadores irão falir por falta de APOIO e orientações:

👉Jurídicas trabalhistas;
👉Fiscal/tributária;
👉Renegociação de contratos;
👉Manejo de estoques;

“Empregos serão devastados por omissão de governos e entidades de classe em cada cidade”

“Famílias em profunda depressão por não ter dinheiro ou o que comer”

“A depressão pode desencadear o fenômeno  de violência atingido níveis  de segurança pública – exemplo de saques e invasões”.

Conselhos e medidas de como lidar com a epidemia não faltam – por vezes até em excessos.

Enquanto isto, caminhamos às cegas e silenciosamente para outro abismo que ninguém está comentando, quem sabe tão ou mais devastador do que o próprio vírus. 

SAIBA O QUE FOI
A CRISE DE 1929

Pequenos empreendedores quase sempre não possuem conhecimentos ou apoio de escritórios especializados para situações do dia a dia, na raça e de forma empírica vão conduzindo seus micros ou médios negócios na fé e com muito trabalho. Porém, é preciso separar dois mundos, aquele que há poucos dias em que tudo funcionava, deste que vai travando a cada hora com as novas medidas restritivas.

PRECISAMOS ESTIMULAR ESTA VISÃO DE FUTURO

Precisamos provocar estas reflexões de como estes pequenos empreendedores irão recomeçar seus negócios em um cenário otimista de 40 dias ou seis meses.

De onde devem vir estas provocações? Dos meios de comunicação produzindo conteúdo com estes contornos.

Quem ou quais devem assumir a missão de assessoria aos pequenos e médios empregadores ?

Governos municipais (maiores interessados em manter a economia local contínua e continuada);

⁃ CDL;
⁃ OAB;
⁃ Cooperativas da indústria e do agro-negócio;
⁃ Maçonaria;
⁃ Rotary;
⁃ Lions Club;
⁃ Autoridades eclesiásticas.

Não se comenta a criação de comitês para formação de plano de ação para acudir estes empregadores. De como devem poupar para ter recursos financeiros para conseguir reeniciar as suas atividades, muitos não terão sequer estoque porque pereceu.

Apenas algumas provocações:

👉 devo pagar ou não aluguel de meu COMÉRCIO fechado ?
👉 negociar a prorrogação  do aluguel ou pedir o não pagamento enquanto a crise manter tudo travado?
👉 qual o modelo de afastamento dos funcionários ?

A – Remunerados?
B – Pela lei denominada de LAY-OFF (CLT artigo 476)?
C – aplicar a Lay-off (ou artigo da CLT 503.) em um mundo em que tudo está em funcionamento recomenda redução de salários,  porém estamos em uma guerra invisível, com o mundo travado.  As empresas conseguirão pagar 50% de salários sem receitas?
D – como o empregador manterá sua atividade travada e ao mesmo tempo pagará o salário?
E – como tratar essas suspensões temporárias de contratos de trabalho sem ter o negócio falido mais adiante por ações trabalhistas ?
F  – como pagar dívidas futuras (fornecedores) com a cidade travada?

Apenas algumas provocações. Muitos empreendedores não estão atentos a este cenário para os próximos meses, tão pouco sequer sabem organizar todas as medidas – porém são URGENTES, tendo somente mais uma semana para resolver tudo isto.

Desde aquele que gera um emprego que seja ao que emprega centenas ou milhares precisam costurar todas as ações de modo que nossa cidade não afunde em uma crise financeira profunda, e nessas condições em profunda depressão que desencadeará abismos de segurança pública afetando todas as camadas sociais de nossas cidades.

Então mãos à obra, que os comitês nasçam e ajam enquanto há tempo montando debates por:

👉 grupos de Whatsapp;
👉 vídeos conferências;
👉 vídeos treinamentos.
👉planos de ação por atividade e por tópicos, respondendo e orientando:
👉 o quê,
👉por que,
👉como,
👉quem,
👉quando e quanto custará ou poupará cada fase.

Quem sabe vários negócios possuam fornecedores em comum ? Uma negociação coletiva uma excelente saída.

Ficam as provocações que são urgentes e necessárias respostas práticas.

“Aos governos federais e estaduais urgentes anistias ou desobrigação de pagar energia elétrica, água e vale-gás”

A FACE DA DEPRESSÃO
4 crianças à venda



Quebra da bolsa de NY; Wall Street